Orando sobre o Natal, por Joyce Clayton

SENHOR, meu amado Deus.

Sei que o Teu convite é que levemos tudo a Ti em oração.

E hoje eu vim orar por minha família nesta época do ano, mas não consigo…

É que eu preciso urgentemente de uma resposta Sua

a uma pergunta chata que me aflige

Posso perguntar? Não fique triste comigo, SENHOR…

 

Querido Pai, me diga o que achas da maneira do povo festejar o nascimento de Jesus?

Eu não quero ser aquela mulher azeda cuja missão de vida é estragar festas.

E, pelo que eu percebo, os festejos são iguais em todo o mundo.

Não, não… não quero levantar o assunto de Papai Noel, árvores, enfeites

não estou pedindo um dinheiro a mais para comprar presentes…

Não, não…

 

É o seguinte, SENHOR. E, olhe, que estou tentando organizar a minha cabecinha confusa pela própria Bíblia.

Primeiro, NATAL é: Deus… enviou seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado (Rm 8.3).  Parece que eu estou escutando o cântico,

Pequeno Jesus, nascido em Belém

De Deus o dom perfeito nos és!

Dos Céus vieste por fazer

As nossas almas renascer (Salmos e Hinos, no. 82).

 

Minha angústia é como conseguir falar do pecado de todos, da necessidade de um renascer da alma, a filhos e filhas,

a netos e familiares.

Eu espero que eles falem bem das minhas comidinhas!

Mas, acima de tudo, SENHOR, me ajude a falar de salvação!

Pronto! Lembrei… Eu quero é imitar a velha Ana que falava a respeito do menino [Jesus] a todos (Lc 2.38).

 

Segundo, NATAL é: Somos filhos de Deus, então somos herdeiros… de Deus e co-herdeiros com Cristo… [e ] participaremos da Sua glória (Rm 8.17). Sim, o Jesus que já veio ainda voltará! Parece que eu estou escutando o cântico,

Cantai e folgai!

O Messias chegou!…

Dai louvores, celebrai-O;

Foi morto na cruz!…

Cantai e folgai!

O Senhor voltará!

Cristo, o Rei glorioso,

Nas nuvens virá! (Salmos e Hinos, no. 98)

 

Minha angústia é como tirar um tempinho na hora da festança para insistir que é preciso se preparar muito mais para a Segunda Vinda de Jesus do que para a ceia natalina. A gente planeja, compra, capricha, convida… E para a Volta Gloriosa que dará início ao Grande Banquete celestial? Será que todos os meus amados estão prontos?

 

SENHOR, mais um minutinho… sei que falei de uma pergunta que me aflige, mas sabe como é quando se lê Bíblia. Uma coisa leva a outra.

Terceiro, por este mesmo capítulo da Bíblia me vejo obrigada a concluir que

NATAL é chance de pensar nossa vida entre a Primeira e a Segunda vinda!

e não dá para fingir – o verso 18 fala de sofrimentos atuais.

Minha angústia é : como encarar a turma maravilhosa em volta da mesa,

todos sorridentes, de roupas bonitas, saudáveis, felizes.

como encará-los sabendo que alguns passarão por sofrimentos?

desemprego, preços altíssimos, saúde abalada, brigas, confusão…

 

SENHOR, só Tu sabes o que virá.

Ensine-nos a fazer comparações com a glória que em nós será revelada (v.18),

e não com os outros em volta.

Faze-nos saber que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam (v.28). Coisas ruins podem acontecer, sim, e à minha família também. Porém,

que ninguém fique xingando o SENHOR,

duvidando de Seu amor e controle amoroso

se desesperando da vida, do futuro, da família.

Dê a todos nós a convicção de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisqeur poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (vv. 38-39).  Parece que eu estou escutando o cântico,

Amor, que por amor desceste!

Amor, que por amor morreste!…

Amor sublime, que perduras,

Que em Tua graça me seguras,

Cercando a mim de mil venturas!

Aceite agora, ó Salvador,

O meu humilde amor! (Salmos e Hinos, no. 134).

 

Pai amado, que 2017 seja um ano “de mil venturas” para os meus queridos familiares!

de fortíssimos sinais de Tua graça

aquela Graça que trouxe Jesus a este mundo de dor.

Por meio dEle eu Te oro; nEle confio de coração; a Ele eu aguardo ansiosamente. Venha de novo Jesus!

Amém.

Joyce Clayton