Orando com a Bíblia – pelo cultivo espiritual dos filhos

Orando com a Bíblia – pelo cultivo espiritual dos filhos

 

SENHOR meu Deus graças, mil graças Te dou pela vida espiritual que me deste

Eu lembro bem a minha vida de morta em delitos e pecados (Ef 2.1)

mas Tu, rico em misericórdia, e cheio de grande amor,

me amaste e me salvaste por meio de Teu Filho Jesus (Ef 2.4-5).

Mil vezes mil louvores a Ti!

 

Vida! A palavra é tão linda aos ouvidos de uma mãe!

Mas a mãe aprende logo – na Maternidade até! –  que vida precisa ser

zelada

alimentada

cultivada

orientada.

 

SENHOR, estou preocupada com a parte que me cabe no cultivo da vida espiritual dos filhos. Tu sabes que eu faço o que posso – e, vez ou outra, o que nem posso! –  para zelar da alimentação, para orientar…

Mas Tua palavra fala da necessidade de todo crente

andar em Cristo

ser radicado, ter raízes profundas, em Cristo

ser edificado em Cristo

ser confirmado na fé

ser instruído na fé

crescer em ações de graça (Col 2.6-7).

Tudo isso é vida!

É crescimento, é cultivo espiritual!

E ser mãe débora é ajudar filhos nesta caminhada.

 

E hoje ouço o SENHOR a me sondar sobre este aspecto do meu lar.

 

Recordo as palavras de Jonathan Edwards, pregador conhecido de séculos atrás:

“Cada família deveria ser que nem

uma pequena igreja,

consagrada a Cristo,

em tudo influenciada e governada por Ele”.

 

Recordo também o sofrido Jó, outro conhecido de séculos atrás:

Chamava Jó os seus filhos

                                                        e os santificava;

                                                        levantava-se de madrugada

                                                        oferecia holocaustos segundo o número de todos eles

                                                        … dizia; Talvez tenham pecado…

                                                                       e blasfemado contra Deus em seu coração.

                    Assim fazia Jó continuamente” (Jó 1.5).

Assim faz esta débora que a Ti ora neste instante?

Pai eterno, perdão, mil vezes perdão.

Sei que há coisas que a melhor mãe do mundo nunca poderá fazer pelos filhos.

Sei que há tanta coisa que só Tu podes fazer dentro deles, por eles.

Sei que o meu melhor não é o melhor. Este vem de Ti somente.

 

SENHOR, como me ajuda nas outras tarefas, me ajude na do cultivo espiritual deles.

Me ajude a imitar Jó.

Eu chama para o cultinho, mas ninguém quer vir.

Queria eu falar-lhes de santidade – eles só querem falar de Facebook.

Mesmo quando não consigo conciliar o sono, acho difícil levantar para orar.

Mas hoje levo cada um a Ti em oração, pois me preocupo com o que cada um

pensa

sonha

questiona

duvida

rejeita

odeia

ama.

Jó sabia que somente Tu conheces o coração de cada filho:

Jesus afirmou que “Deus conhece os… corações” (Lucas 16.15).

SENHOR, por Teu Santo Espírito, trabalhe fundo no coração dos filhos.

 

Eu já ouvi falar da mãe do grande pregador, John Wesley, que decidiu

“falar muito mais com cada filho sobre o estado de sua alma,

separar tempo diariamente para uma conversa particular com cada um.

Às segundas-feiras, com Molly,

às terças, com Hetty,

às quartas com Nancy,

às quintas, com John,

às sextas, com Patty,

aos sábados, com Charles

aos domingos, com Emilia e Sukey”.

 

SENHOR, e eu que tenho menos filhos do que ela? O que é que eu estou fazendo?

Eu podia alegar que não saberia o que dizer-lhes, mas quase nunca tentei.

Eu podia alegar que envio a turma para a Escola Bíblica Dominical,

que a EBF da igreja é excelente

Eu podia alegar que, afinal, é dever espiritual do pai, e não meu

Eu podia alegar que o tempo é pouco, que é impossível conciliar os horários…

 

Mas, no fundo do meu coração, sei que não passam de desculpas farrapadas.

E, do fundo do meu coração, eu queria tanto receber de cada um dos meus

uma cartinha igual à que mãe de John Wesley recebeu,

pois,  enquanto estudava na Universidade de Oxford, ele implorou que ela

“nunca deixasse de interceder por ele às quintas-feiras, que do jeito que ela

gastava as quintas conversando com a criança, John,

ela nunca deixasse de interceder ao Pai pelo adulto jovem, John”.

 

SENHOR, que as palavras,“Os que temiam ao Senhor falavam uns aos outros” (Mal. 3.16) sejam uma realidade em meu lar.

Não quero que meus filhos tenham saudades só de

brincadeiras, passeios e comidas.

E nem da notícia de que eu não perdia uma reunião sequer das déboras.

Que cada um tenha saudades do seu tempo comigo

de nossas conversas bíblicas, espirituais.

Depois o SENHOR me orientará acerca dos assuntos das conversas. Pode ser?

E a Ti todo o louvor pelas bênçãos eternas que eu e eles receberemos,

por meio de Teu Filho amado, Jesus Cristo. Amém.

 

Joyce E. W. Every-Clayton