ORANDO COM A BÍBLIA – acerca do futuro dos filhos, por Joyce Clayton

  1. ORANDO COM A BÍBLIA – acerca do futuro dos filhos

 

Amado Pai,

Tu és o Deus de ontem,

de hoje

de todas as nossas amanhãs.

E é sobre isso que eu queria, que eu preciso, conversar, pois lendo aquele relato bíblico sobre Manoá e sua esposa (Jz 13) vejo que as perguntas dele são as minhas.

 

Calma, Senhor! Tu tens razão!

Errei, e vou me corrigir, sim. As perguntas de Manoá ainda não são as minhas.

(Se são ou não as do meu esposo é problema dele diante de Ti.)

O Senhor sabe que, enquanto grávida, eu pedia – e muitas vezes:

 

Senhor, eu te imploro que …

                                   [me instrua] sobre o que fazer com o menino que vai nascer (Jz 13.8).

 

Porém, eu acho que aquela oração inicial brotava de preocupações quanto ao cuidar físico do pequeninho – o que eu devo fazer. Como é fácil uma mãe se perder num mar de vacinas, pediátras, amamentação, noites mal dormidas, febres, fraldas, cansaço, remédios, pomadas, dicas de mãe, sogra, vizinha… Discernir o certo é complicado.

 

Aquela fase passou. Eu e a criançada sobrevivemos! Hoje minha angústia é por conta da segunda oração de Manoá: Como devemos criar o menino? O que ele deverá fazer? (Jz 13.12). O filho nem gerado está, e o futuro pai já se preocupa com o futuro do menino! Detalhe – Manoá tem certeza que será menino! (Jz 13.7-13)

 

Senhor, vou começar no começo, e anotar o que estou aprendendo:

Aquela época era parecida com a nossa: israelitas… fazendo o que o Senhor reprova, e inimigos pagãos no controle (Jz 13.1).

Criar filhos numa hora destas é difícil, mas o Senhor prometeu:

o filho será consagrado a Deus

[e] iniciará a libertação de Israel (Jz 13.5).

Então, meu poderoso Senhor, vamos combinar assim:

eu consagrarei meu filho a Ti,

o Senhor o usará de alguma maneira para a salvação de outros.

Pois é, libertação nada menos é do que salvação.

Haja futuro glorioso!

Haja tarefa assustadora!   A frase nós devemos criar

                                                                                               antecede

                                                                                           o que ele deverá fazer.

                                    Logo, eu estou entendendo

que minha criação dos filhos tem tudo a ver com o futuro deles;

que eu tenho que criá-los para o futuro que os aguarda;

que esta tarefa será impossível sem a Tua ajuda. Ponto pacífico.

 

Impossível? Manoá e sua esposa que o digam!

Senhor, o casal fez tudo certo e deu tudo errado.

Sansão nasceu, cresceu e desprezou o voto, preferindo

encontros perigosos com mulheres,

farras,

explosões de ira,

um show de poder (Jz 16.23-30).

 

E agora, Senhor?

Qual será o futuro dos meus?

Como “garantir” que não serão mini-Sansões?

O só pensar na possibilidade me deixa angustiada.

Ao mesmo tempo, sei em quem tenho crido, e estou certo de que ele é poderoso para guardar (2Tm 1.12), para guardar a mim e aos filhos também.

E, se eu fizesse o seguinte? Enquanto prometo não julgar Manoá e sua esposa, vou investir pesado nas 4 pedras de tropeço de Sansão.

Vou ensinar o que a Bíblia diz sobre

a escolha de uma esposa, um esposo. Caráter cristão é primordial.

a escolha de amigos e atividades de lazer. Excluir Deus é fatal.

a escolha do caminho da ira. Deixem com Deus a ira (Rom 12.19).

a escolha do poder que enlouquece. O poder de Deus é o segredo da vida.

Pai amado, para ser-lhe sincera, neste exato momento a questão de carreira não me interessa –

se serão médicos ou motoristas,

empresários ou enfermeiros,

promotores ou professores,

fazendeiros ou faxineiros.

donos de multinacionais ou donas de casa…

Que importa? Obediência a Deus e um andar humilde com Ele valem mais do que ouro e fama.

Sansão começou bem (Jz 13.24-25) mas foi uma grande decepção.

Sei que ele clamava a Deus depois de suas escapadas (Jz 15.18; 16.28).

Sei que o nome dele consta na lista de heróis de Hebreus 11.32.

Prometi não julgar Manoá e sua esposa, e nem tampouco julgo o Senhor ou ofereço palpites. Mas uma coisa prometo. Orarei constantemente

pelo futuro dos meus;

pelo seu caráter,

por escolhas pessoais assentadas em princípios bíblicos,

por amigos que ajudarão em vez de atrapalhar

por seu bom uso de qualquer posição futura de poder

por um distanciamento proposital da ira e suas complicações.

Senhor, por ora, só isso.

Mas, lembre-se, Senhor!

Seu Nome continua sendo Maravilhoso (Jz 13.18)!               Maravilhoso em graça, e capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que opera em mim (Ef 3.20).

 

Joyce E. W. Every-Clayton.